domingo, 1 de novembro de 2015

Talvez eu...





Talvez…
Talvez a questão seja eu, talvez esteja em mim.
Talvez a questão seja eu e esta minha sede desmedida de vida.
Talvez seja esta minha vontade sufocante de querer abraçar.
Talvez seja esta minha vontade de partir para um qualquer lugar onde me esperem ou não, sem nota prévia de chegada ou hora marcada de regresso.

Talvez seja eu e este meu desejo incontrolável de querer VIVER.
Talvez seja eu e este meu desejo incontrolável de querer DAR.
Dar, dar-me por inteiro. Intensa e plenamente.
Porque só assim faz sentido e sei viver.

E sentir…
Sentir a alma vibrar, o corpo estremecer com um sorriso num rosto, um brilho de um olhar, a ternura de uma mão que se estende, o calor que se dá e recebe num abraço, como uma meta cumprida, um objectivo atingido, um sonho realizado.

Talvez…
Talvez seja eu e esta minha avidez de querer parar de escrever a página de um livro cuja personagem deixei de reconhecer, e começar outro. De novo. Com o Eu que conheço, que sempre fui e que perdi num qualquer parágrafo escrito no lugar errado, que fez mudar o rumo desta que é hoje uma desinteressante história. Um enredo que vai perdendo a cada dia o sentido, com um epílogo demasiado previsível.

Talvez…
Talvez seja eu, mero figurante ou personagem em papel inadequado.
Talvez seja eu e a minha cupidez de querer correr pelas linhas, tropeçar nas vírgulas, cair nos pontos finais e erguer-me para um novo parágrafo, uma nova página. De querer aprender pela passagem dos pontos de interrogação, deliciar-me com pontos de exclamação, mergulhar nas reticências e absorver tudo o que está para além delas.

Talvez…
Talvez seja eu e esta minha sofreguidão de me superar a mim mesmo. Porque acredito que nunca sou o bastante e que posso ser sempre mais e melhor.

Talvez…

Talvez seja eu:
a loucura sentenciada pelos que me crêem saber!

Talvez seja eu:
a lucidez entendida pelos que me conhecem!


jpc


Enviar um comentário