domingo, 1 de novembro de 2015

Solidão







Solidão
Ilhado na minha própria solidão
A ausência de acordes à minha canção
Penetro em mundos obscuros, imaginários!
Incrédulo persigo sonhos mau fadários.

Como um barco com mastro caído
Sigo a correnteza do sonho sofrido
Levado ao léu sem direção
Espasmo a dor do meu coração.

E a delirante insónia persegue-me
Faz-me com que por ti não negue
A saudade um desejo nada breve
Imaginar-te em mim naufragado.

Sentir impregnado o corpo
A satisfazer os meus desejos e manhas
A embalar-me de amor e emoção
E abraçar-me com ardente paixão.

Imaginar-te como a água de um rio
Que corre pelo meu corpo a refrescar-me
E eu eterno a mergulhar nas tuas águas
E fazeres com que reflicta as minhas mágoas.

Flor de doce luz que me ilumina
Que trazes na alma a cor que me fascina
Cobre de beijos à espera este teu menino
Que se abre como as flores ao te receber.

jpc




Enviar um comentário