segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015

Meu Anjo




Eu repousava num mundo diferente, sonhava sonhos que não sabia, esperava-te sempre andando,
porque não sabia que estavas aqui, tão perto.
Chegaste trazido pelas tuas asas de Luz e pousaste em mim, trespassaste-me com a intensidade dos sentimentos sonhados
guardaste-me para sempre no teu, no nosso Amor, olhaste-me e beijaste-me,
prendi-te para sempre no meu coração, na minha alma,
no meu ser.
Fazes parte de mim por esta eternidade que me leva para parte incerta...
Procurei-te em alguém erradamente, alguem que nunca soube amar mas apenas quiz ser amado
e tu vieste ao meu encontro sem nunca termos esperado e hoje...
Abraças-me, volto a nascer,
olhas-me, derreto de desejo,
tocas-me, subo aos céus,
aqueces-me, esqueço-me de mim
dás-me um beijo, elevo a alma,
amas-me e sou feliz!
Gostava que as palavras fossem dedos que se enlaçam entre as tuas mãos.
Gostava.
Gostava que escrever-te fosse como sentir o que já senti e o que nunca senti.
As palavras são apenas voos rasos entre recordações que ainda não tivemos.
O que sinto não se faz em palavras, não se desenha em telas, não se toca nas melodias do pensamento fugitivo.
Gostava.
Gostava que o tempo fosse carícia que me aquieta sempre que ao longo da pele dos dias
quando não te encontro nos meus olhos.
A alma pede.
A alma evita.
A alma fica.

As palavras travam.

A voz silencia.


Gostava.

Gostava de poder sentir-te nestes abraços intensos de divagações
que o coração me empresta de ti.
O coração... aquele que me aperta o peito e me desfaz a razão em pulsações descontinuadas.
Gostava de parar. Gostava de sentir o vazio da vida e preencher-me apenas de ti.
Gostava... gostava de olhar para ti e dar-te em silêncio todo o Amor que fervilha dentro de mim...
É.
Gostava...


Enviar um comentário