quinta-feira, 6 de novembro de 2014

Paixão pela Vida... a Morte que espere...






" Amava a morte.
Mas não era correspondido.
Tomou veneno .
Atirou-se de pontes.
Aspirou gás.
Sempre ela o rejeitava, recusando-lhe o abraço.
Quando finalmente desistiu dessa paixão entregando-se à vida, a morte, enciumada, estourou-lhe o coração".
Marina Colasanti
Não é de morte que quero falar , mas de vida, porque a morte é algo que nem adianta procurarmos porque um dia ela chega sem aviso e temos de deixar tudo inacabado.
Por nós choram os familiares, os amigos, e até os " inimigos" lamentam a nossa partida.
Já tive momentos na minha vida, e talvez por atracção do desconhecido, a morte me atraía ou não encontrava razões para viver.
Só que hoje olho lá para fora e vejo um Sol tão bonito que me entrelaça nos seus raios, a lua que já espreita e também ela me vai dar a mão e embalar nos meus sonhos de menino homem.

Quantos de nós já não pensámos na morte como a solução para os nossos problemas , mas o ser humano tem uma capacidade de resistência que ele próprio desconhece e só em situações limites temos consciência disso!

Eu não quero partir, quero ficar porque estou a reaprender a ser feliz. Quem me dera poder fazer um contrato com a morte, eu chamava-a quando quisesse, mas ela não aceita contratos, nem avisa e muitas vezes nem sinal dá...

Agora que me apaixonei pela vida e sei que tenho menos tempo para viver do que aquele que já vivi, mas mesmo assim quero aproveitar cada momento, cada segundo, cada instante do meu dia, do meu tempo...
Morte, deixa-te ficar eu chamo-te quando não estiver apaixonado pela vida, ou quando sentir que já cumpri a minha missão.
Agora que o tempo parece andar mais rápido, eu não quero partir porque além de tudo que já tinha libertei-me de alguns pesos e encontrei de novo o caminho para a felicidade...
Morte deixa-te ficar do outro lado do mundo e deixa-me ser feliz!
Não fiques ciúmenta porque um dia serei teu... aliás um dia terás todos os seres deste mundo! Não sei como aguentas tantas paixões, porque todos temos uma certeza: um dia seremos teus!
Mas agora deixa-me ser do meu filho, dos meus amigos, e do meu amor... deixa-me sentir novamente a paixão da vida!Adeus morte não venhas , eu chamo-te depois. Pode ser?Tu não costumas fazer acordos.. mas não poderás abrir uma excepção? Sabe ainda tenho muito para fazer aqui por estas paragens...
      

Enviar um comentário