terça-feira, 7 de outubro de 2014

Realidade é o que se percebe ...






A realidade do cético é a mais imediata e simples que se pode ter percepção se valendo apenas de seus cinco sentidos básicos, supondo que a fé alheia é ingênua (a partir de uma ingenuidade julgadora), baseado na "verdade" do cientista cartesiano, na infalibilidade do seu método, e de seus equipamentos de conclusão dos resultados; analisados pela "fé" (ingênua?) de quem analisa, sem considerar sequer o que são os paradigmas.

A realidade do místico é so ilusão psicológica ou vivência íntima espiritual real?

Se não existe uma verdade objetiva externa, muito menos a interna, todas relativas e subjetivas. Melhor "verdade" será a intersubjetividade entre as verdades interna e externa do ser - o extremo subjetivo entre o observador, o observado e processo de observação.

No entanto, o processo é apenas o paradigma em que se observa ou o contexto também subjetivo.

Não há ou haverá ciência PSI ou ciência espiritualista que "prova" a partir da visão cartesiana.

Muito além da ingenuidade popular, muito além dos devaneios místicos alucinados, há a verdadeira vivência pessoal íntima, autocomprobabória do evento PSI que se vivenciou.

Se o "tal" evento PSI / espiritual que você vivenciou (de fato) não lhe convenceu, pode haver uma crença contrária íntima, uma dúvida pessoal de si ou o evento não foi nítido e contundente o suficiente para convencer a sua racionalidade da experiência.

Por isso o universo íntimo é o mais importante, ele sim é sua realidade, ele é o que você percebe.


Dalton - www.consciencial.org 

Enviar um comentário